quinta-feira, 14 de outubro de 2010

das frases de efeito

eu não devo ser normal. não devo mesmo.

eu geralmente me assusto se as pessoas dizem que me amam, ou dizem que gostam de mim. normalmente coisas como "você é bonita", "você é legal" (ou um simplesmente "você é especial") me assustam e me fazem querer correr léguas. mudar de cidade. mudar de endereço. mudar de chip e operadora. sem portabilidade.

eu sempre disse que o primeiro melhor elogio que recebi na minha vida veio de modo inesperado e foi o caio dizendo que meus olhos eram cor de lodo. ao ele ver a minha terna surpresa, ele completou: "sim, de água suja!". o que para todas soaria como uma baita ofensa, para mim soou como a declaração mais lindinha do universo. diferente. inédita. muito diferente de me chamar de "meu bem", como todo mundo chamaria. "meu amor", "xuxuzinho", "gata*", enfim, ineditismo, pra mim, é o canal da minha ausência de coração.

e eis que escutei uma que me fez ganhar a semana. as circunstâncias não importam (até porque não posso narrá-las agora), mas a frase veio solta, depois de eu dizer um monte de baboseira (como sempre):

"é sempre bom ter uma mulher imperfeita do lado... faz a gente se sentir real, vivo..."

enquanto 99,9% das mulheres achariam isso um atestado da sua incompetência em serem perfeitas, eu achei isso um atestado da minha não necessidade em ser perfeita. eu posso ter celulite. eu posso ser besta, falar bobagem. eu posso ser o que eu quiser. não perciso ser uma boneca de cera. eu posso ser a mulher de verdade.

daí, a gente agradece a liberdade que uma frase pode dar. e, mesmo nem sendo um relacionamento, a gente fica feliz de receber o melhor elogio de todos, assim, na cara!

*"gata" só se for seguido de "se tu quer banana split", bem à maneira dos cascavelletes...

domingo, 10 de outubro de 2010

da soundtrack

quem gosta de música sabe que a gente cria pequenas soundtracks, se sentindo num filme. talvez para melhorar o silêncio ou o barulho com que convivemos no dia a dia.
eu tenho temas para todos os momentos da minha vida... e, apesar de tudo, meu tema de são paulo é gaúcho.

ligando o isqueirinho e cantando com ele: WANDER WILDNER...



"por que logo essa música, hires?" perguntam meu dois leitores e meio.

porque tudo que tu quer nessa cidade imensa é ser tudo, né? lindo, maravilhoso, poderoso... e, no fundo, eu só quero ser mais uma no meio da multidão, ou seja, eu sempre volto atrás.

(e to querendo deixar meu cabelo crescer, mas to pensando em cortar mais também!)

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

do "quer saber"?

saí de porto alegre porque estava irritada em dar explicações da minha vida.

aí tenho um blog.

quer saber?

não gosta de mim, da minha vida, do meu sapato bicolor, do cabelo, da maquiagem?
não entra no meu blog, porra!

raulzito diria: quem não tem colírio usa óculos escuro
o poeta diria: conte até dez
e eu digo: tomar no teu c*...

vê se eu to na esquina tomando cerveja...

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

do inferno astral

creio que para poucas pessoas o aniversário signifique mudanças drásticas quanto pra mim.

todo ano, desde 1984, tudo que deve acontecer na minha vida de virá-la de cabeça para baixo rola em outubro/novembro. nunca em janeiro, julho ou em março. É ali, antes de eu completar uma nova idade ou logologo depois.

provas?

quando minha família decidiu se mudar de brasília (onde nasci e morei por 16 longos anos) para porto alegre? em outubro de 2000.

quando pirei na batatinha em porto alegre, piração que culminou na minha mudança para são paulo? em novembro de 2009.

quando foi que deixei de ser a morena do milton para ser a morena de mim mesma? em novembro de 2008.

nesse ano já começou a rolar a mudança... o que me espera mais?

(e eu que sempre digo que adoro mudanças começo a ter muito friozinho na barriga)

terça-feira, 5 de outubro de 2010

do come back

será que voltei...?

enfim, here we go again...

sexta-feira, 23 de julho de 2010

da chuva de são paulo

em são paulo chove pra caramba....

é chuva forte, é chuva fraca, é garoa, é chuva média....

e, perdoe a minha ignorância, em são paulo a chuva molha mais do que tudo nessa vida! qualquer pinguinho encharca...

e vai saber qual é o mistério da chuva de são paulo?

durante alguns dias, eu pensava que era apenas uma maneira de ficar tudo mais cinza.

depois de um tempo, eu entendi que a chuva de são paulo é bem um verso do cordel do fogo encantado:

"e a chuva vem pequena e grandiosa
acalenta ou revira o nosso lar"

a chuva, no meu caso, revira a minha vida, com a readaptação a tudo. mas, ao mesmo, acalenta porque a vida é muito muito melhor agora...

segunda-feira, 14 de junho de 2010

da mudança que dá medo

três meses em são paulo acampada... morando no escritório da mana, dormindo num sofá-cama...

ontem, recebi a notícia de que minha mudança está chegando para meu apartamento já alugado.

mesmo que o emprego já estivesse aqui e eu nem por um momento tenha pensado em voltar, acabei de cortar o último laço. ou seja, meu lar, definitivamente, agora é são paulo.

já me acostumei a pegar o pompeia às 7h40 descer na consolação entrar no elevador subir no 13eiro andar encontrar meus colegas felizes descer quando dar pra almoçar subir uma hora depois sair quando termina o trabalho (seja às 17h30, horário normal, ou 7h30 da manhã do dia seguinte) voltar pra casa e esquecer a redenção.

e agora eu tenho um canto só meu. aqui. onde eu estou reaprendendo a me encontrar e a me perder. onde eu aprendi que existe uma parada mais perto do trabalho do que a que eu descia até a semana passada.

e restam as lembranças...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

da profissão de revisora

não que eu ache que alguém vá ler esse blog procurando algo como "quero ser revisor de texto... o que esperar da profissão?"

afinal, ninguém de bom senso sonha em ser revisor. mas eu gostaria de dizer o que diabos eu faço da minha vida.

ser revisor é lidar com o erro. em primeiro lugar, o erro do outro. seja por falta de atenção, seja por desconhecimento, seja por pressa, seja por preguiça, seja por estilo, seja por "humanidade". everybody mistakes. o trabalho do revisor é trabalhar com o erro dos outros e tentar fazer isso da maneira melhor possível. e é aqui que mora o problema.

se errar é humano e o revisor é um ser humano, o revisor tem que lidar, em segundo lugar, com o erro dele mesmo. como assim, hiiiires? ora bolas, o bom revisor, o cara que faz tudo redondinho, é aquele que sempre desconfia de si mesmo. e eu to falando sério.

o revisor sabe-tudo sempre e eu repito sempre saberá dos erros que conhece. aparece qualquer coisa que ele nunca viu na vida e pronto: ele errará! o revisor é o cara que pesquisa, olha no dicionário toda hora, acha o volp o livro do século e o google o pai da humanidade... o revisor é o ser que desconfia de tudo, até do especialista.

ser revisor é o trabalho mais infeliz porque o erro rodeia. mas também às vezes parece que há um leprechaum que protege o pc de toda raça e que dá um estalinho, que chama pro dicionário, que desconfia do hífen ou do acento.

no meu caso, ser revisora também significa passar, além das 8 horas normais, muitas horas extras em cima do salto e maquiada, sem perder a classe do erro.


***

aos anônimos:
saibam que eu não costumo responder nada, mas essa merece...

o blog é meu e eu falo do que eu quiser.
se não quer ler, deleta do histórico, honey...
thanks!

segunda-feira, 31 de maio de 2010

notas esparsas com títulos individuais

da família

que mãe manda pro e-mail do trabalho da filha uma mensagem com palavrão?

sim, a minha!

alugando um apartamento estou eu. e meus pais estão asinando os papéis em conjunto comigo, pois o meu contrato e a minha carteira assinada saíram tarde demais.

então, no dia em que visitei o meu futuro lar, perguntei se podia ter gatinhos e recebi um sim veemente como resposta. eis que no contrato havia uma cláusula que dizia expressamente que esses animais não poderiam habitar o prédio.

porém, meus pais somente viram tal absurdo quando fora assinar o bendito papel na capital federal às vésperas de sua décima quarta lua de mel.

mamis, em sua sapiência, me ligou no domingo, às 23h, me pedindo para resolver o problema. eu, que acabara de chegar do trabalho (é... no more life, babies), avisei que não poderia resolver nada naquele momento e pedi que me mandasse um e-mail com o número da imobiliária para resoluções no próximo dia útil em horário comercial. e ela ainda soltou a piadinha: "qualquer coisa, eu fico com os filhotes!" (ela desenvolveu adoração pelos felinos)

às 14h chega um e-mail de autoria da minha progenitora dizendo que eles resolveram tudo. e com a seguinte frase:

"A imobiliária disse que não tem problema. mas pede uma autorização por escrito porque se eles nos FUDEREM (caixa alta minha) depois com multa, não vão poder!"

alguém me responde: como eu ainda sou uma pesso trabalhadora, honesta, querida, casadoura?? como eu não virei a amy?? como eu não estou jogada numa poça de lama?? hein? hein? como eu ainda me formei, fiz mestrado e trabalho honestamente pra me sustentar??

beijo, mamis! te amo, viu? boa lua de mel em teresina!

(eu sei que ela lê e ADORA esse blog!)

***

da troca de peso

hoje precisávamos de um antropólogo. eu, boa pessoa que sou, me lembrei de uma pessoa má que eu conheço que quase terminou o mestrado em ciências sociais (como quase terminou tudo na vida) e indiquei. e avisei: "só não digam que fui eu que indiquei porque ele não vai aceitar..."

ainda por cima perguntei: "esse cara aí tá me devendo uma grana preta... posso ficar com a grana que ele ganhar?" claro que não foi a resposta.

burro que é, não atendeu o telefone. perdeu de ganhar alguns bons reais.

bem informada que sou também fiquei sabendo que ele anda desfilando com uma criatura que dá o triplo de mim na época em que eu dava o triplo de mim. não que isso seja exatamente problema meu e não que isso me dê algum tipo de recalque.

até porque esse tipo de coisa deixa a gente mais pra baixo. leo, meu amado comparsa de trabalho, diz que quando a gente é trocado por alguém muito melhor a gente pensa "ui, sou gato(a)!", mas por alguém pior a gente pensa "credo, sou assim????"

bom, altruísta fui. besta ele foi.

agora que eu sobro nas roupas, estou mais bonita, mais elegante, estou num emprego chique e desfilo pela paulista... a única coisa que posso pensar é que o moço fez uma troca de peso. e perdou uns mil e quinhentos reais de birra.

coitado dele. não de mim...

***

da saudade

e o beijo-mino de hoje vai para...

duana e gláucia que me ligam meio alcoolizadas em plena sexta-feira ME MATANDO DE INVEJA enquanto eu estou ME MATANDO DE TRABALHAR!
vacas, eu sou um playstation com sentimentos e eu amo vocês! very very much!

momento clichê passou. aperta o start que eu volto a não ter um coraçãozinho para o mortais...

sábado, 29 de maio de 2010

da descoberta

I make them good boys go bad


ui... poder de mino...

terça-feira, 25 de maio de 2010

da novidade

ganhei, finalmente, uma mesa no trabalho...

com direito à vista pra paulista do décimoterceiro andar...

arruda, daqui pra frente, é só plantinha pra tirar o mau olhado!

domingo, 23 de maio de 2010

da troca

meu reino por uma massagem

meu reino por uma massagem e um homem bonito

meu reino por uma massagem, um homem bonito e, depois, 12 horas de sono ininterruptas...

(continue a frase...)

sábado, 22 de maio de 2010

da utilidade dos homens

decidi que preciso de um namorado...

e que preciso de um namorado por dois motivos.

a) pra ele me dar uma melissa lady dragon iv, com lindas cerejinhas em cima.

b) depois de uma semana de horas extras (eu saio, teoricamente, do trabalho às 17h30 e tenho saído às 23h todos os dias), ganhar uma massagem quando eu chego em casa não teria preço!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

do trabalho

porque, como diria o flor* (amado colega de trabalho), dormir oito horas é para os fracos!

ter vida social é para os sortudos...

e trabalhar tanto é uma delícia!


*flor é apelido, óbvio! mas que ele é uma flor de pessoa, ele é...

terça-feira, 18 de maio de 2010

do rei do inferno e seus asseclas amalucados

trabalhar na avenida paulista tem suas peculiaridades.

uma delas são os protestos. todos os dias, enquanto reviso-leio-virgulo-pontuo-acentuo-rabisco, tem uma criatura berrando a plenos pulmões o que acredita ser a maior injustiça já vista. o mais impressionante é que, a cada dia, a criatura muda e a maior injustiça já vista também.

a outra são os jornaiszinhos. hoje ganhei uma pérola maravilhosa. na verdade, procuro quem escreve o jornal até agora porque o bendito não tem expediente, ficando difícil encontrar a autoria da peça.

stop a destruição do mundo tem como tema, nesse mês, a falácia das vacinas. por quê? vacinas matam! quem nunca pensou nisso antes! erradicamos o sarampo por mera coincidência, não porque vacinamos as crianças. e o melhor: no jornal, todos os dados são da frança, da suécia... nenhum do brasil. incrível, né?

mas o auge, coleguinhas, é a matéria chamada "A Orientação Bacteriológica de Pasteur é Totalmente Invertida". nela, o autor (essa é assinada) explica que tudo que está acontecendo (terromotos, furacões e até os problemas psicológicos) são culpa nossa! não eventos da natureza ou eventos químicos. mas (citando) "são devidos aos transtornos que elaboramos com nossa conduta patológica, ao aceitar o acordo com o rei do inferno (Lúcifer) e seus asseclas amalucados - de maneira que estamos encalacrados, dentro de um círculo infernal de desespero, agressão e destruição".

o melhor: marquem psicanálise com ele, marquem!

enquanto isso, eu to aqui, com os asseclas amalucados dos meus colegas de trabalho...

domingo, 16 de maio de 2010

das frustrações

essa lição-mino vai assim: de graça e sem contexto...


eu não tenho culpa das tuas frustrações, baby!
acha ruim aonde eu cheguei?
da próxima vez, pega o caminho que eu peguei e não enche!

e bleh!

terça-feira, 11 de maio de 2010

do sobrinho emprestado

meu querido sobrinho emprestado, eduardo, conseguiu ficar de recuperação em artes e educação física.

sendo perguntado: "como?", (afinal, ele passou em matemática-física-química) o moleque me explicou.

- nina, é que a aula de artes é muito chata. daí eu não presto atenção. na prova, tinha que comparar dois artistas que eu não conhecia. então, eu fiz uma comparação entre macgyver e chuck norris...

fui explicar ao moleque que ele pediu pra ficar de recuperação. e, como boa nina-mino que sou, ensinei a seguinte lição:

- a gente só faz esse tipo de piada com quem a gente pode ferrar. quando o outro pode ferrar a gente, o negócio é pisar miudinho. até porque tu não é nem o macgyver, nem o chuck norris.

acho que ele entendeu...

segunda-feira, 10 de maio de 2010

dos pássaros

que vale mais que um na mão do que dois voando
todo mundo sabe...

agora qual deles soltar quando se tem dois na mão
o ditado não diz...

sexta-feira, 7 de maio de 2010

da inspiração

duas doses pra mim, plix!

quinta-feira, 6 de maio de 2010

diário portoalegrense

a gente se acostuma com tudo. a gente se acostuma a não morar no lugar em que morou durante 10 anos. a gente só não se acostuma que três dias é pouco demais.

ainda mais depois que meu avô foi internado e depois minha avó foi internada e que os dois estavam mais do que carentes de netinha e ficaram grudados em mim.

a gente também não se acostuma ficar sem gatinhos conversando miaus miaus e dormindo na cabeça e nas coxas.

a gente não se acostuma ficar sem as melissas e sem os sapatos e sem os casacos e as coisas que não couberam nas três malas que eu trouxe.

a gente não se acostuma de não conseguir ver os amigos queridos nos diaszinhos.

mas a gente se acostuma ao resto. e até sente falta do sofá-cama, do escritótio-quarto e do limbo existencial...

quarta-feira, 5 de maio de 2010

das melissas

ok, resgatei mais 10.

agora só faltam umas 20 e algumas...

sábado, 1 de maio de 2010

eu sempre achei essa música um saco, mas...

deu pra ti
baixo astral
vou pra porto alegre...
TCHAU!


de domingo a quarta-feira, estarei na capital do rs saracoteando.
interessados em me dar beijinhos-abracinho-e-mimos-mil, call me (o telefone de poa é o mesmo).
interessados em sentir saudades em porto alegre, façam o mesmo (estarei com o telefone de sp).

sexta-feira, 30 de abril de 2010

utilidade pública: de que cor não pintar suas unhas!

[normalmente, antes de eu abandonar o pobrezinho, esse post estaria no nugget fashion. porém, desarticulada que sou, mal consigo manter um blog... quem diria mais de um.]

mas voltemos ao assunto.

eu sempre fui adepta à idéia de que se temos unhas, devemos fazê-las e pintá-las TODA semana religiosamente*. e sempre quase religiosamente pinto minhas unhas de vermelho.

de uns 3 meses pra cá, com a profusão de esmaltes com as cores do arco-íris, decidi experimentar. daí, me veio a idéia de narrar algumas más, muito más por sinal, pinturas. porque mesmo que euzinha acredite que tudo é uma questão de estilo e atitude, algumas cores simplesmente não combinaram com meu estilo e a minha atitude... ou não combinaram com a vida em geral!


a) azulejo português - risqué



eu pintei. e juuuuuuuuuuuuuuuuro: me senti na copa. o tom de azul é exatamente igual ao do círculo-ordem-e-progresso da bandeira da pátria-mãe-gentil. not good!

opção mais decente: marinho - colorama

mais escuro, mais discreto.


b) arábia - risqué



eu olhei e falei: "cinza! que legal! e nem é prateado, que é brega pra caramba!" NOT!!! #FAIL! dá pra olhar ali na fotinho que parece unha de zumbi. sim, parece que você morreu e esqueceram o detalhe de enterrar suas unhas. e, se por acaso, ficar com frio e a mão ficar roxa, piorou. aí é freak TOTAL!

opção mais decente: arranha-céu - colorama

novamente: mais escuro, menos zumbi!


c) siena - risqué



eu experimentei primeiro o laranja que sugiro como opção mais decente e depois esse. laranja sempre é um caos de pintar na unha pela primeira vez. por quê? se não há o costume, a gente vai vendo pintado e vai pensando: "bizarro! bizarro!"; em seguida, se acostuma e acha lindo. só não, infelimente e na minha opinião e no meu gosto, nessa versão anoingorange.

opção mais decente: aleixo - impala

ele é um tom diferente. mais amarronzado, creio eu. enfim, mais bonito.
prar entender melhor: na foto, dois primeiros -> NOT; dois últimos, YEAH!


d) qualquer um camada única - colorama



cores lindas. vantagem pra quem faz unha em casa (meu caso em sp agora). mas do que adianta se não dura nem dois dias? infelizmente, colorama #fail. tinha tudo pra ser O lançamento unhístico do século XXI. conseguiu ser a decepção. nem com extra-brilho presta!

opção mais decente: qualquer outro esmalte de várias camadas.


***
reclamei demais. agora vou ali continuar com as minhas unhas de zumbi até amanhã (dia de fazer as unhas). e vou voltar pro orquídea da ana hickmann que é o achado do mês. #ficaadica.

*não é porque sou uma abóbora que não devo parecer uma princesa. abóbora é questão de atitude não de se largar nas cordas, honey...

dica tardia: neons da impala com textura fosca! se joooooooooga!!!!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

quarta-feira, 28 de abril de 2010

minha mãe comprova!

Loy Déglan diz:

*sim
*o homem pra te aguentar tem que ser wolverine...

hires diz:
*ui! todo de adamantium!



[eu venho de uma longa linhagem de abóboras, pactuadas com o demônio, mulherzinhas like a men...]

terça-feira, 27 de abril de 2010

woman like a man - ou da essência de abóbora parte 2

em primeiro lugar, todos escutando o lindo damien rice, bitte.



"tá, hires, que isso?", as crianças na sala se perguntam. de novo me deparei com o dilema caetanístico que o mozart (sempre ele) me colocou há anos atrás, que eu redescobri no texto de moda e que o damien rice esfregou na minha cara ontem!

não adianta pintar as unhas, correr de saias, usar fitas no cabelo, falar manso (na maior parte do tempo), usar cremes e perfumes, não sair de casa sem rímel, ser mulherzinha em muitos sentidos: eu sou uma abóbora, eu dei minha alma ao demônio... eu sou uma mulher como um homem!

fujo pra todos os lados... não dá gente...!

e, cada vez que eu converso com alguém (e hoje foi a vez do sábio-exemplar-masculino-canceriano), eu mais me dou conta disso...

eu bebo muito!
eu falo palavrão pra caramba*
eu ajo em relacionamentos que não tem importância pra mim de uma forma infantil**!

eu não sou uma violeta... assim sendo: são raros os estômagos que conseguem aguentar abóbora!
i've given my soul to the devil... assim sendo: tem que ser muito macho pra conseguir suportar minha personalidade***!
e, por último mas não menos importante, i'm a woman like a man... assim sendo: eu ajo como um menininho em ocasiões em que eu deveria surtar e espernear como uma mulherzinha!

doutor, será que tem jeito???


*obviamente, segurei um palavrão aqui!
**a todos os meninos que eu dei meu telefone errado ou que eu disse que iria retornar a ligação e nunca retornei ou que prometi ligar e nunca liguei... i'm sorry! não era a minha intenção partir o coração de vocês...
***o resto da música é redentora: but the devil gave her soul to god... diz o mozart que é verdade e se aplica ao meu caso. to tentando descobrir ainda!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

do ser cosmopolita

[devendra só pra dar o clima!]



em 2008, conversei com uma professora peruana que mora em NY há muito tempo. na época, eu queria ir estudar na NYU e estava pedindo dicas pra ela sobre o assunto.

a preocupação maior da moça era se eu aguentaria morar longe da família. e pior: se eu aguentava não pertencer a lugar nenhum. quando ela soube que eu não morava com meus pais já há 3 anos e que eu não morava na minha cidade natal desde 2001, ela não teve mais medo e me explicou uma coisa que agora eu entendo melhor, morando na quarta cidade (brasília-DF, picos-PI, porto alegre-RS, são paulo-SP).

a gente acaba sendo de todos os lugares e não sendo de lugar nenhum.

[excluindo picos, no piauí, em que morei com um ano e saí com dois; logo, me lembro de beeeeeem pouco quase nada. só que a minha mãe matava cobras com havaianas...]

assim, ouvir legião urbana tem um gostinho diferente. e tem sentido o renato russo rezar pra nossa senhora do cerrado proteger quem atravessa o eixão às seis horas da tarde. comer quebra-queixo do tio que passa gritando: "olhaeeeeeeeeeeeeeeeee o quebra-queixoooooooooooooooooooooooo" traz a lembrança de infância, gosto de casa de vó. assim como comer carambola com sal, sentir cheiro de piqui na feira, adorar carne de sol, falar torrone (e não mandolate), chupar din-din. e, claro, ser apaixonada por aquele horizonte, o  pôr-do-sol mais bonito do brasil (não é do guaíba), achar a arquitetura a coisa mais normal do mundo e ter as nuvens mais algodãozinho de todas. falar porrrrta, carrrrne faz parrrrte do charrrrme!

daí, temos o outro lado, gurizada. de quem aprendeu a adorar a lancheria do parque, o beco 203, o mister dam, o bells, o bamboos. de quem reclama de bairrismo, mas que quase chorou ouvindo kleiton e kleidir ontem: "que saudade da redenção / do fogaça e do falcão / cobertor de orelha pro frio / e a galera no beira rio*". do fogaça eu não tenho saudades não. mas de passear na redenção, morgar na grama... até da porcaria do jornal do almoço e do tele domingo, só pra falar mal!!!! de quem canta amigo punk, miss lexotan, sob um céu de blues... ou seja, quem aprendeu a se misturar na multidão, apesar de sempre dizer: "não, eu não sou gaúcha!"

e, no fim, eu, brasiliense até no r, to aqui... além de sentir falta de brasília, to com saudades de porto alegre! não chorei ao partir, mas um dia eu voltarei. pra rever o guaíba e comer meio xis-português com fritas no cavanhas e uma polar!


* tá, Inter! mas também não precisava sentir minha falta e perder ontem pro grêmio, timeco, no beira rio, né???

sábado, 24 de abril de 2010

da ressaca

a ressaca (descoberta de hoje) é um momento de decisões:

I. qual é o melhor relacionamento?

      a) aquele em que você bebe para esquecer
      [daí bebe e liga!]
      b) aquele em que você bebe para lembrar
      [daí bebe e se esquece de vez]
      c) aquele que bebe com você
      [eu sempre acho esse o melhor!]
      d) relacionamento? só se for com sal e muito limão!

II. o que está na hora de retocar?

      a) a sua maquiagem
      [you look like a panda, baby]
      b) o seu esmalte
      [roidinha de nervoso]
      c) o seu cabelo
      [cafuné de bêbado não tem dono]
      d) todas as opções anteriores e vê se dá uma lustradinha na minha dignidade também, plix!

III. o que tá rolando?

      a) está chovendo e trovejando lá fora

      b) essa barulheira é dentro da minha cabeça mesmo


IV. escolha a promessa mais digna:

      a) nunca mais faço isso na minha ínfima existência!

      b) na próxima, me liga mais cedo, tá?

sexta-feira, 23 de abril de 2010

da utilidade do blog

 a rita disse que só sabe notícias minhas pelo blog.

logo, além de ficar divagando sobre coisas aleatórias que passam na minha cabecinha, as pessoas que gostam de mim ficam sabendo o que se passa.

mesmo que eu escreva tudo meio truncado por aqui...

então, beijo, rita... tu não levou meu sorriso, meu assunto, nem o que era de direito...

mas meu sorriso e meu assunto são todos teus...

e toda vez que vejo alguém de cabelo vermelho por aqui, meu coração bate bem fortinho, pensando:

é ela! é ela! é ela! é ela!
e o eco ao longe murmurou - é ela!
...

quinta-feira, 22 de abril de 2010

do picolé

ontem, comi um picolé de coco e ganhei uma madeira reflorestada.

onde será que faço a troca e retiro meu prêmio?

terça-feira, 20 de abril de 2010

por que ter amigos? - ainda sobre a bolsa; ainda sobre o mozart

madrugada. me surpreendo com o meu aquariano preferido, do qual respeito a criatividade e todas as criações:

*Mozart diz:
olha, depois da bolsa corpete eu acho que tu eh o bill gates das bolsas

*mino diz:
SÉRIO?

*Mozart diz:
sim, me fez parar pra observar bolsas - o que foi um tanto gay demais pra mim - inclusive

*mino diz:
uau!


saudades...

segunda-feira, 19 de abril de 2010

diário paulistano - o que é são paulo?

contando para o milton a minha pequena experiência no metrô da sé às 18h, momento em que tive uma crise de pânico...

mino diz:
*eu tive uma crise de pânico na sé
*entrei por uma porta do metrô e saí por outra
*é punk!!!!!
*daí tu vê que porto alegre é um feijãozinho de minúscula!

milton diz:
*não
*são paulo é que um pé de feijão gigante

mino diz:
*HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
*boa, boa!

só faltou desenhar....

sábado, 17 de abril de 2010

das resoluções de ano novo... ... de novo

hoje passei alguns minutos... tá, eufemismo! hoje passei um par de horas sentada na avenida paulista esperando um compromisso. nesse meio tempo, abri minha agenda deveras adulta que meu irmãozão me deu de aniversário (ela é rosa e tem porquinhos na frente).

bati o olho no dia primeiro de janeiro e vi as metas de ano novo. soltei uma gargalhada. PALHAÇADA, HIRES HÉGLAN. PA LHA ÇA DA!

em primeiro lugar, metade das metas não fazem o menor sentido. construir uma vida com alguém que nem tá mais contigo é uma coisa que nem é pra rir e nem pra chorar. muito menos pra sentir pena de si mesma. é pra achar interessante e citar a dani (enjoy the silence ali do lado, em leituras obrigatórias) citando beatles: amor cigano. o tempo passa e a gente só aprende que o amor passa e se tranfere. o meu se tranferiu pra mim mesma. thanks for asking, honey!

depois vem as resoluções já cumpridas e estamos a recém em abril! senti tanto orgulho... eu já emagreci todos os quilos e mais uns que tinha me programado (nenhum deles foi nas coxas... droga!). ponto pra mim!

também já me exonerei do emprego que me fez adoecer e entrar em despressão! ponto pra mim de novo! ainda estou procurando algo melhor. thanks for asking again, baby! um passo e tanto dado. saí da segurança do emprego público que faz pessoas passaram trinta anos infelizes fazendo alunos infelizes... e suas famílias mais infelizes ainda.

estou cursando moda. não do jeito que imaginei. não na faculdade que imaginei. e os colegas de quem mais gosto são, pasmem, os professores. hehehehehe... passo meus intervalos com eles, troco e-mails com eles, peço opiniões sobre os meus trabalhos com eles. ponto pra mim: estou fazendo moda! talvez nem termine o curso em que estou agora, mas já aprendi um bocado de coisa e já descobri que sei desenhar. rá!

o que mais me surpreendeu é que as metas não tem mais nenhum sentido. parte não existe mais na minha vida. parte cumprida.

então, pra quem viu uma louca de vestido preto e melissa de zebrinha rasgando o dia primeiro de janeiro da sua agenda como quem tirasse-o-demonho-do-corpo era eu. muito prazer!

aparentemente aquelas eram as metas de 2009 ainda.

eu, queridinhos do meu coração, sou uma pessoa errante. minhas metas são seguir o barco, aproveitar as oportunidades. e, caso der algo errado, a gente ri, se diverte, e dança beck (fazendo L na testa, tá?):

quinta-feira, 15 de abril de 2010

tem coisas que só a loucura dá pra você...

* depois de ter surtado por não ter uma peça jeans em são paulo e ter milhares de peças perfeitas em porto alegre pedindo pra serem customizadas...

*depois de ter tido uma raivinha de ficar bordando calças, transformando em bermudas e qualquer coisa do gênero...

*depois de ter tido uma idéia maluca de cortar as pernas da calça e transformar em uma bolsa em forma de corpete, com direito a amarração, rosinhas de lingerie e peitinhos-fake...

* depois de costura a bolsa toda à mão, reclamando da demora, reclamando que era jeans, reclamando que inventei o molde da minha cabeça, reclamando de ter que desmanchar e refazer porque era teste e reclamando de furar meus dez dedinhos umas 20 vezes cada um (inclusive embaixo das minhas unhas)...

*depois de cansar e não fazer o forro, deixando pra um dia quando eu tiver mais um pouquinho de paciência e deixando a bolsa meio acabada...

* depois de olhar o mimo pronto e me apaixonar por uma bolsa que tem cintura...

o que não tem preço é:

fazer a peça mais criativa, mais fofa, mais elogiada pela professora de estudo de criação em moda!


[valeu a pena! e, no fim das contas, acredito que, no fundo, posso servir pra esse curso mesmo... acho que não vou desistir!]

quarta-feira, 14 de abril de 2010

não me lembro do filme...

... mas a frase do dia é essa:

"sometimes, a woman must be a BITCH to have her dignity back"

ou algo do gênero...

terça-feira, 13 de abril de 2010

diário paulistano - da utilidade do dedo

estava eu ontem à tarde no metrô de são paulo. eu adoro andar de metrô em são paulo. até prefiro fazer o caminho maior e pegar metrô do que ir de ônibus.

enfim, estava eu no metrô de são paulo.

lá pelas tantas entra um gatinho-paulista. mas um gatinho-todo-gatinho. bem vestido. cabelo bem cortado. rosto bem proporcional. lindos olhos. um gatinho-bem-gatinho.

olhei, mas fiquei na minha.

o gatinho aparentemente descobriu que eu era interessante (talvez me imaginou falando sobre filosofia da linguagem à meia luz) e resolveu me paquerar.

foram, então, minutos de paquera bem feita. daquelas que se olha, cruza o olhar, finge que não tá olhando só pra cruzar o olhar de novo.

toca, então, o celular do gatinho-bem-gatinho. o lindinho-mais-que-bonito atende.

[pausa dramática]

ele, enquanto fala no celular, faz um gesto que acabou com toda a paquera (não que a paquera fosse dar em alguma coisa e que fôssemos casar e ter "cinco lindos cachorrinhos", mas...). enquanto fala no celular, gatinho-bem-lindinho utiliza do mindinho da mão no celular para cutucar sua narina. ou seja, tirar tatu do cérebro

sim, queridos dois leitores e um quarto! do que adianta aquele corpinho, aquele corte de cabelo, aqueles olhinhos lindos de morrer, aqueles reais gastos em roupinhas com caimento perfeito, se a criatura não tem nenhuma educação?????

então, vai uma lição-mino de graça hoje:

não adianta ser o gatinho-mais-interessante-da-paróquia se a senhora sua mãe não te deu educação...

ou, traduzindo,

vê onde põe o dedo, honey!

sexta-feira, 9 de abril de 2010

nota de responsabilidade social

não, queridos marmanjos.

nós meninas não somos nem um pouco complicadas. e cada vez chego mais à conclusão que o problema do mundo está todo com vocês. isso mesmo: com V O C Ê S! e só com vocês!

custa ser um pouquinho mais coerentes?
custa ser um pouquinho mais honestos?
custa ser um pouquinho mais queridos?
custas, mas custa mesmo, ser um pouquinho menos esfinges?

ai, que saco também!


[post dedicado às mulheres descomplicadas que eu conheço mas que sempre ficam com um  N Ó  na cabeça quando o assunto é homem. e entendem astrofísica, genética, filosofia da linguagem, estética, teoria da comunicação, finanças e sintaxe gerativa!]

quinta-feira, 8 de abril de 2010

CDA

mundo grande

não, meu coração não é maior que o mundo.
é muito menor.
nele não cabem nem as minhas dores.
por isso gosto tanto de me contar.
por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso frequento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias:
preciso de todos.

preciso de todos.

sim, meu coração é muito pequeno.
só agora vejo que nele não cabem os homens.
os homens estão cá fora, estão na rua.
a rua é enorme. maior, muito maior do que eu esperava.
mas também a rua não cabe todos os homens.
a rua é menor que o mundo.
o mundo é grande.
tu sabes como é grande o mundo.
conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.

(...)

meu coração não sabe.
estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam.)

outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
nunca escutei voz de gente.
em verdade sou muito pobre.

(...)

então, meu coração também pode crescer.
entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
- ó vida futura! nós te criaremos!

carlos drummond de andrade

[para os que procuram entender o pequeno-grande-inexistente-incoerente-coração de um escorpiano. não sei se vale a pena habitar nele. até porque os homens estão na rua e meu coração é pequeno...]

quarta-feira, 7 de abril de 2010

classificados

procura-se alguém que queira me dar no mínimo 2 pares de melissas da nova coleção. favor entrar em contato nesse blog, no telefone (famoso beijomeligaplix), no twitter, no facebook, mandar sinal de fumaça ou uma puxadinha no cabelo. qualquer coisa tá valendo. porque a coleção tá linda.

(a famosa crítica da coleção dessa vez virá nesse blog. o nugget, tadinho, tá jogado, né? assim que tudo estiver disponível na loja, falarei, meninas...)

ah! meu número é 37 e é só escolher em http://www.lojamelissa.com.br/ ...

e se, de repente, não mais que de repente,...

eu fizesse outra dessas loucuras minhas

e pegasse um avião pra berlim

e fosse encontrar o rafinha

do outro lado do atlântico.

alguém aí ia ficar realmente muito ofendido???

terça-feira, 6 de abril de 2010

top 10 - melhores declarações de amor em músicas

não adianta dizer: mino romântica!
mas voltando de brasília pra são paulo, antes de embarcar, eu fiquei pensando nas 10 declarações musicais de amor correspondido e cheguei a essa lista. obviamente, a lista está diretamente associada a meu play-list, ao meu momento musical e ao meu gosto.
claro que, depois, fiz mentalmente uma outra lista de 10 declarações musicais de amor não-correspondido e mais uma de 10 melhores fora musicais. essas eu publicarei em outras ocasiões.

let's go!


#10 - Young Folks (Peter Bjorn and John)

estilo amor: "a gente se gosta e f*d*-s* o resto". é... caminhamos pela rua felizes e contentes... e daí se olham pra nós. não é bem uma declaração, né? por isso não está bem colocada também, uai!

i did before and had my share
it didn't lead nowhere
i would go along with someone like you
it doesn't matter what you did
who you were hanging with
we could stick around and see this night through

mas vai que não é legal estar com a pessoa que não liga, hein hein? eu sempre digo que o teste pra saber se eu gosto de alguém é... ah! isso é outro assunto. clica aqui pra letra inteira e vai pra próxima.

#9 - Queen Bitch (Seu Jorge)

apesar da musical original ser do david bowie, a versão do seu jorge pro steve zissou nada tem a ver. mas é uma propostaplusdeclaração linda. vai dizer que ouvir:

e vai haver aquele que implore pra ser feliz
como nós

dizer: "oi, tudo bom. to pensando aqui em construir nossa vida e todo mundo vai querer ser feliz como eu vou te fazer". é dizer: "te amo, nega! e vou te fazer mais feliz do mundo!" ok... não fica entre as primeiras porque não é declaração explícita, mas que arrasa, arrasa!

obs.: não achei uma letra decente... então, baixem a música e sejam felizes... na verdade, o cd inteiro vale a pena!


#8 - Telefone (versão Ira! plus Pato Fu)

definição de amor:

são três horas da manhã, você me liga
pra falar coisas que só a gente entende
são três horas da manhã, você me chama
com seu papo poesia me transcende


se pode ligar àss 3 da matina, acordar a criatura, falar de poesia e ele diz: "honey, isso é amor!!!" é muito amor. eu não me importo de ser acordada. mas depois de um dia beeeeem cansativo, experimenta me ligar às três da manhã pra ver se eu digo bem meiguinha que isso é amooooor... (quer cantar junto? clica aqui)

#7 - A hard day's night (The Beatles)

uma lista fofa como essa, não poderia faltar beatles, poderia??? então:

but when i get home to you
i find the things that you do
you make me feel alright
(...)
when i'm home
everything seems to be right
when i'm home
feeling you holding me tight

tudo bem que aboborazinhas descoladas que somos não ficamos em casa esperando o moço. mas que é a declaração de amor que voltar pra casa prosteusbracinhosaboborísticos é linda... ai, ai! (tenha a hard day's night completa!)

#6 - O mundo anda tão complicado (Legião Urbana)

olha, é tão raro, mas tão raro uma música do renato que seja fofa assim que essa merece entrar.

vem cá, meu bem, que é bom lhe ver
o mundo anda tão complicado
que hoje eu quero fazer tudo por você

quero ouvir uma canção de amor
que fale da minha situação
de quem deixou a segurança de seu mundo
por amor

lá vai o cara morar junto com a moça e construir sua casinha. e, mesmo com todos os problemas, os dois são pombinhos. que coisa mais fofa! ainda mais porque é raro não ocorrer a fuga no primeiro perrengue... mas isso é assunto pra ooooooutro post. (letra completinha e animação tosca? clique já!)

#5 - Vida de cachorro (Mutantes)

fofuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuura! tá que são cachorrinhos, mas so what??

me lamba o rosto, meu querido, lamba
e diga que também você me ama
eu quero ver seu rabo abanando
vamos ficar sem coleira
vamos ter cinco lindos cachorrinhos
até que a morte nos separe, meu amor!

hoje em dia é difícil criar cinco lindos cachorrinhos, mas que é lindo é...(letra aqui, ó)


#4 - Minha menina (Mutantes)

nanananananana... nanananananana:

ela é minha menina
e eu sou o menino dela
ela é o meu amor
e eu sou o amor todinho dela

nanananananana... nanananananana...
nanananananana... nanananananana...


#3 - Birds (Kate Nash)

uma vez um ex meu me disse que eu tinha olhos cor de lodo. nunca recebi um elogio tão diferente, sarcástico e irreverente. eu e o caio somos amigos até hoje e também isso é história para oooooutro post. talvez por achar que o amor não precise ser declarado tão redondinho eu ache esse enunciado aqui tão especial.

right, birds can fly so high
and they can shit on your head
they can almost fly into your eye
and make you feel so scared
but when you look at them
and you see that they're beautiful
that's how i feel about you
that's how i feel about you


e quem disse que o amor não assusta? e quem disse que o amor não pode ser bonito e assustar ao mesmo tempo? e quem disse que o cara não pode se apaixonar por uma criaturinha burra como a moça da música?


#2 - My favourite book (Stars)

eu acho essa banda a coismaisquerida que já invadiu essa terra. além de letras inteligentes, as melodias são ótimas. e uma letrada como eu acha essa declaração de amor estupenda. afinal, ser meu livro preferido é um status e tanto, né?

how i know your face
all the ways you move
you come in
i can read you, you're my favorite book
all the things you say
the way you shift your eyes
i never knew there was someone to make me come alive


além disso, to come, em inglês, tem outra tradução bem agradável, eu diria. mas, enfim... (leia o livro favorito inteirinho)

#1 - By starlight (Smashing Pumpkins)

fala sério, mr. billy corgan. superando todas as expectativas de sua genialidade, ele consegue fazer essa primazia da declaração de amor. vamos à letra, bitte.

by starlight i'll kiss you
and promise to be your one and only
i'll make you feel happy
and leave you to be lost in my eyes


e olha que o moço entende de dor de cotovelo, de depressão, de ser um freak, ou seja, todos os sentimentos possíveis de rejeição. e, mesmo assim, ele consegue essa lindeza de letra (que pode ser vista integralmente clicando aqui). sem comentários... só suspiros, ok?


[aos dois leitores e meio eu deixo o direito de comentar, concordar, reclamar e até sugerir. o saco é que amor correspondido rende tão poucas músicas né? dor de cotovelo, no entanto...]

sábado, 3 de abril de 2010

diário calango - pascoal parte 2

tem coisas das quais o trópico de capricórnio me protegia. eu quero estar abaixo dele de novo...

buáááááááá

as propagandas assustadoras do dolly guaraná, por exemplo.

como eu vou dormir, sozinha, num quarto de solteira, do lado dos meus pais, com a imagem de crianças assustadoras vestidas de coelhos da páscoa beijando uma garrafa verde dentuça em que está escrito DOLLY e dizendo com suas vozes de crianças assustodoras: "dolly guaraná, eu te amo"???

vou ter mais pesadelos do que quando tentei assistir "O exorcista".

certamente irei dormir no quarto dos meus pais de madrugada...

como assim amar o dolly guaraná verde??? deve ter uma mensagem subliminar...

sexta-feira, 2 de abril de 2010

diário calango - pascoal

adoro as nuvens perfeitas de brasília.

eu quase acredito que são realmente de algodão...

[ou deve ser uma ilusão de infância que ainda não passou]

segunda-feira, 29 de março de 2010

diário paulistano - moda são paulina

amigas, não se enganem!

queridas coleguinhas de porto alegre! eu também achava que são paulo era o BICHO e que eu ia ficar deslumbrada com a roupa das paulistanas. mas... NOT.

GENTE, elas tem a faca e o queijo na mão, mas falta o gosto e o risco.

explico.

tem o acesso (lojas, shoppings, 25 de março, chineses, brás, oscar freire, alternativos, spfw), porém, falta o ziriguidum!

a gente anda pela rua e só vê o básico. peças lindas que qualquer uma babaria por e usaria de mil maneiras. mas a gente só vê o calça jeans-camiseta-sapato-bolsa. todos lindos e sem nenhum risco. dá uma vontadezinha de chorar no cantinho.

desculpa, folks! mas vi pouquíssimas pessoas na rua que dá pra parar e pensar: uhu! liiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiindo!

ai, pois é... no quesito estilo, ainda fico com porto alegre...

[no quesito número de pessoas bonitas por metro quadrado também, mas isso é ooooooouuuutra história para ooooooouuuutro post!] 

3G

vamos todos agradecer ao moço-querido-cavalheiro que trouxe a mala, o meu note e o 3G que possibilita momentos de tédio na inet e posts inúteis como esse.

aliás, agradecer nunca é inútil, né?

thanks e um afago no cachorro valente!

=D

domingo, 28 de março de 2010

eita!

acabei de perceber que meu perfil não é mais esse:

hires héglan


nascida em brasília. perdendo o suco em porto alegre. filha de um piauiense e de uma gaúcha. seu destino, aparentemente, era mesmo ser sociolingüista variacionista ou interacional. era ser lingüista mesmo. sua birra é brincar de moda e bancar a fashionista. usa saias e nada mais. um dia pensa em crescer. mas só quando sapatos de coração e estojos rosas com borboletas não existirem mais.

tá mais para:

hires héglan


nascida em brasília. perdendo o suco em porto alegre. já perdeu parte de seu suco em porto alegre e perde mais um restinho em são paulo. filha de um piauiense e de uma gaúcha. seu destino, aparentemente, era mesmo ser sociolingüista variacionista ou interacional. era ser lingüista mesmo. sua birra é brincar de moda e bancar a fashionista. usa saias e nada mais. um dia pensa em crescer. mas só quando sapatos de coração e estojos rosas com borboletas não existirem mais.


(delicinha de mudar!)

quinta-feira, 25 de março de 2010

da essência de abóbora

lendo um dos textos referentes à História da Moda no Brasil, me deparo com o seguinte:

"... havia uma frase modelar: as moças não devem ser como as abóboras que se exibem sobre a rama,
e sim, como as violetas que se ocultam entre as folhas".

o texto se refere à educação repressora na década de 30.

ok...

mas, definitivamente, eu sou uma abóbora.

não sou de passar despercebida, não sou de me esconder e nem de fazer joguetes à moda das violetas.

vamos aos exemplos concretos.

violetas costumam acreditar (porque há um livro de auto-ajuda que prega isso) que pintar as unhas de cores claras faz o homem querer casar com você. por quê? porque isso demonstra que a mulher gosta dos afazeres domésticos e não liga de estragar as mãos por isso.

abóboras estão pouco se lixando para isso. a cor pode ser vermelha, marrom, rosa berrante, azul, preto, laranja... a gente não gosta mesmo de estragar as unhas lavando o que quer que seja. gosta de ficar com as unhas bonitas. e o principal: a gente não vai fingir que o nosso sonho é lavar louça/roupa/chão o dia inteiro só para os meninos se casarem com a gente. por sermos independentes, a gente trabalha e paga, numa tacada só, faxineira e manicure.

violetas costumam também usar de joguetes para se fazerem de intocáveis. segundo consta, violetas acreditam que eles ficam mais interessados quando não sabem que você se interessa por eles. por exemplo, violeta tem ingressos para ir no cinema. ela quer convidar o moço-interessante para ir com ela. como ela faz? liga para o moço e diz: "tenho ingressos para o cinema. convidei todos os meus amigos, e ninguém pode ir. quer ir ao cinema comigo. se você não for, eu vou perder os ingressos". sim, uma violeta é capaz de manipular a verdade para não dizer: "eu quero que você e mais ninguém vá comigo!"

o que as abóboras fariam? bom, a gente sabe o que quer: ir no cinema com o moço em questão. logo, a ligação é assim: "oiiiii! tenho ingressos pra ir no cinema. pensei em ti de cara. vamo?" se o moço se fizer de sabão ou achar ruim, as abóboras pensam: "azar o dele!" e vão para o cinema com qualquer um de seus zilhões de amigos e ponto!

abóboras falam palavrão, dançam até borrar a maquiagem, usam saia curta e são muito melhor resolvidas. além disso, todo mundo sabe (mais ou menos) o que esperar de um relacionamento com uma abóbora.

com as violetas, as coisas nunca são o que parecem; leia-se, nas entrelinhas, manipulação e joguetes no melhor estilo BITCH (no péssimo sentido cruela cruel da palavra).

e sejamos realistas: com as abóboras dá pra fazer doces e guloseimas; as violetas, por sua vez, servem só para serem admiradas.

terça-feira, 23 de março de 2010

ageless beauty

ageless beauty

cruelty makes it holes

but on the shoreline

time will hold its promise

we will always be a light

you can see it from the surface, see it


[não que eu goste de postar letras de música, mas essa tá grudada na minha cabeça durante esses últimos dias...]

sexta-feira, 19 de março de 2010

do isqueiro perdido de vez

prefácio
todos sabem da existência de gnomos que roubam isqueiros. sempre que vamos acender um cigarro, o isqueiro simplesmente não está onde juramos que deixamos. pois bem...

***

lá estava eu no carro, voltando da faculdade. cigarro e isqueiro no colo, conversando normalmente com a mana. decide-se, então, parar num posto para reabastecermos o tabaco-nosso-de-cada-dia e comprar biritinhas para mais tarde.

coloco o cigarro no painel e esqueço do querido do isqueiro. ele cai entre as grades que constituem o grande ralo do posto.

imediatamente me frustei. afinal, isqueiros são perdidos naturalmente, sem dramas, sem vermos, sem tristeza. eles vão para o mundo dos gnomos, em que fazem sei-lá-o-quê. mas parecem felizes no lugar e com a função, porque não voltam.

porém, meu isqueirinho preto foi-se traumaticamente. mais do que óbvio, tentei enfiar a minha mão tamanho mini por entre as grades. ela entrava, mas não forcei com medo de não sair. então, seria eu e o isqueiro a estarmos perdidos para sempre no ralo.

me resignei e fui comprar o cigarro.

fiquei manhosa por algum tempo. pensando no isqueiro. frentistas foram mobilizados em vão. ele ficou abandonado no escuro.

dois dias depois, penso que foi melhor assim. arranjei outro isqueiro. continuei a minha vida. toda vez que passar pelo posto vou lembrar como perdi o belo isqueiro preto. mas não tem chororô. já foi...

***

posfácio
encarem como uma metáfora também...

sexta-feira, 12 de março de 2010

da fashionista

quem diria:

to adorando a graduação de moda!

terça-feira, 9 de março de 2010

das questões de belo-belo

chega!

já deu! já senti demais...

é que chega numa hora em que o coração diz chega! chega mesmo. a gente usa demais, ele bate demais, ele geme demais e chega! parou...

tum tum tum tum e pá... pá  -   rou!

e nem adianta mais dizer que na próxima encarnação veio bicho de-não-sentir-dor que não-sentir não é coisa de bicho. eu virei gato... e gato sente mesmo. é só olhar na cara deles. nos olhos deles.

então, não adianta fugir.

mas chega... porque nessa de eu não querer não sentir mais nada, eu acabo sentindo muito.

e o seu bandeira vem cheio de marra pra cima de mim e faz piadinha de belo-belo. fazendo questão de nenhuma escolha; escolha pra eu ter tudo o que quero mas pra eu querer o que nunca tive.

e dizer trinta e três num pneumotórax flamejante no meu vigésimo cigarro saudoso...

putz! sentir falta do que não se tem é pesaroso...

o pior é querer ser um minotauro sozinho no labirinto, desejando ser morto por um único teseu! aquele que eu mino e que me enche de aindas...

sexta-feira, 5 de março de 2010

pânico na floresta!

credo!

pela primeira vez na minha vida, eu queria que a semana fosse só um pouquinho maior!

quinta-feira, 4 de março de 2010

da arte de ser desorganizada

não tenho nenhum orgulho disso, que fique bem, mas BEM CLARO MESMO!

que eu moro sozinha, todo mundo sabe.
que eu me sustento (ou pelo menos tento), todo mundo sabe.

daí, ser o estorvo, ops! a ovelha negra da família sempre pega mal.

chega nessa época, meu pai sempre me lembra: tantinho*, temos que fazer teu imposto de renda!

a parte boa: o leãozinho ainda é bem mansinho comigo e eu sou isenta. logo, tudo que ele me come, ele regurgita de volta. centavinho por centavinho.

como nada é simples na minha desonrientação mino-escorpiana-agridoce-venenosa-bagunceira....

meu pai pergunta: cadê a tua declaração do ano passado?
faço o papel de louca pra não haver bate boca no msn: hein?
papis repete: a do ano passado? o papel que te mandei?
mino: tá em porto alegre. em algum lugar. eu to em são paulo. tem que pedir pra mãe que tá lá em casa procurar.
papis: alguma ideia de aonde esteja...? (obviamente ele já sabia que a resposta ou seria não ou seria vaga!)
eu respondo com classe, pra não parecer desesperada: em alguma das gavetas da casa.
papis: do escritório?
hires-mino-bagunçadíssima-mais-que-a-vida-dela-atualmente: em qualquer gaveta da casa!

a notícia boa é que vou receber pelo menos uns 500 reais de volta e que eu consegui guardar TODOS os recibos de livros que comprei em 2009. sou quase uma vencedora. é uma conquista pra todos os seres humanos bagunçados do mundo, quiçá do universo!

*tantinho: como pessoa de muitos apelidos, tantinho é como meu querido papai me chama. ele diz que até hoje, pra ele, sou um tantinho de gente, por ser a caçulinha. um tantinho de gente um tantão desorganizada, eu diria. eu puxei o pior dos dois: adoro costuras, tecidos, fitas, tralhas do gênero, como a mamãe, e adoro livros, papéis, apostilas e materiais de escritório em geral, como o papai. deu no monstrinho que deu! (L)

terça-feira, 2 de março de 2010

ditados do meu irmão

ultimamente, tenho dito isso pra tanta gente, que sinto uma necessidade de compartilhar aqui.

meu irmãzão mais velho me disse isso num momento desesperador. e ele, com aquela sua calma irritante. naquele seu reverso meu, que falo pelos cotovelos. ele olhou pra mim e disse:

- ziza, conforme o caminhão vai andando, as melancias se ajeitam!


entendido. tá andando. tá se ajeitando. vamos esperar, gente. aguardando.

[não que aguardar seja meu forte, mas... é o que resta, né?]

segunda-feira, 1 de março de 2010

diário paulistano 3.1

eis-me-aqui-again, povo.

e

eis-me-aqui-gripada-de-novo, gente!!!!

agora, coloquem velinha pros santinhos pro planejamento dar certo, tá?

principalmente, as pessoas sábias. adoro gente sábia!

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

do mundo que se torna menor (não melhor)

é bem pequeno.

o lugar aonde estou agora é minúsculo. se tornou pequeno mesmo. não é que eu dou um passo e acaba. não é uma questão fisíca-química-biológica-naturalística. ficou pequeno na minha cabeça.

eu, que sempre achei que aprender a reconhecer é bom, comecei a reconhecer que desconhecer é melhor ainda. não quero mais essas ruas pequenas. não quero mais essas casas pequenas. não quero mais a minha cabeça pequena.

quero aprender a me perder de novo.

e daqui a anos, quando aprender a reconhecer o que desconheci uma vez, vou me perder de novo. vou perder meu suco em outro lugar.

achei meu suco em porto alegre; talvez seja a hora de perder suco em outro lugar.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

porra, que saudades da minha casa!

batendo a melissinha de rubi três vezes, e dizendo:

"não há lugar como nosso lar!"

acabei aqui, com os gatos (gordos como porquinhos!), com meu sofazinho e com meu todos os pares de melissa e todos os meus vestidinhos!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

p a o l a (ou diário paulistano 2.8)


porque amizade de verdade resiste ao tempo e à distância.

te amo, nega!! e amo o gabriel também!

e se eu sou a #hiresqueridona , vocês são o #casalqueridão , mais queridão que eu conheço!!

sábado, 20 de fevereiro de 2010

diário paulistano 2.7 - aqui se faz, aqui se paga

reclamei da incompetência da minha mana ao me buscar em guarulhos.

bom, como diria minha mãe, como bom junico primeiro* que é: "a língua é o chicote da..." melhor deixar pra lá!

fomos trocar as nossas passagens, minha e da minha mãe, pois vou ter que estender minha estadia em sp por mais um tempo (quem sabe forever??). e eu, como boa co-piloto que sou, fiz a mana entrar à esquerda quando era à direita e pronto! nos perdemos e chegamos ao destino umahoraemeia depois.

mas a culpa não foi minha, tá?

em primeiro lugar, direita e esquerda não são coisas conhecidas pra mim. os lados se dividem para mim como: lado em que tenho uma estrela no pé e lado em que tenho uma lua no pé. ou mão da estrela ou mão da borboleta. as tatuagens é que me direcionam!

em segundo lugar, quem mandou me perguntar pra que lado entra quando estou passando batom e não olhando pro mapa? peloamordedeus!!!

*junico é o apelido que as mulheres da família ganharam do meu pai por terem a personalidade "mansa" idêntica à do meu avô materno, valdemar.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

m o z a r t - parte 3

comprei teu ray ban, nego!

só queria compartilhar com o mundo...

(L)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

m o z a r t - parte 2 (ou por que ter amigos? - parte 5)

discutindo a vida com o mozart, de madrugada no msn, ele me sai com essa pérola de sabedoria suprema:

Mozart diz:
*que que é a porra do amor senão o pimba??


merece ou não merece um lugar no coraçãozinho mino-agridoce?

m o z a r t

ele vai dizer que é porque eu sempre falto nos aniversários dele. mas, poxa vida, senhora mãe do mozart! eu já tenho essa vida complicada de cada parte da família em um estado diferente. e, quando chega nessa época, a gente resolve lembrar-se de lamber-se uns aos outros... desculpa aí, vai!

mas, eu amo-vos... é, amo-vos, células que compõem meu ilustre amigo talentoso que ele só. que inclusive ele nem acredita. abacaxis e iracemas-siririquentas à parte, esse menino, que eu conheci na fila do ru, cuja mulher me fez rolar ladeira abaixo por ciúme (amo-vos também, aparelhos-celulares-de-carlitcha), mora nesse coraçãozinho agridoce. nesse local inóspito que, no fim das contas, acredita nele e quer desejar uma feliz mais completada de anos!

e, assim que os pezinhos melissentos e as saias rodadas de hires-minotauro-péssima-ótima-amiga pisarem em porto-alegre-dos-casais, bebemoraremos a mais um ano da existência brilhante desse mozart-tomazr.-pintor-artístico-talentoso-guri-que-desacredita-em-si, mas que insiste em ter papos filosóficos da linguagem às 2 horas da matina com a pseudo-desiludida-linguista que o ama de paixão!

[e se você não gostaria de ver essa declaração de amor a um amigo ou ficou com ciuminho, espera teu aniversário... ou melhor, conquista um pedaço desse coraçãozinho agridoce (tarefa deveras penosa, né?) e talvez tu ganhe um post que chegue aos pés desse!]

MOZART! feliz aniversário, nego! eu volto! eu volto! daí a gente pega um cigarro...
e põem na boca
entre seus dedos
vai estar
outro cigarro...

(L)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

crise existencial

direita, esquerda, caminho do meio...

ou sair correndo, sem rumo, com os braços balançando desordenadamente???

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

diário paulistano 2.6 - carnacrodôana


primeiro carnaval em família em anos e nem por isso menos divertido. as únicas pessoas sãs eram, obviamente, as crianças.

para quem não conhece (da esquerdar para direita): papis (progenitor da família), mamis (junico primeiro), lucas (sobrinho bakugan), juliana (filhota do cunhado), dudu (filho do cunhado, mais conhecido como "estragandoafoto.com"), clodoir vieira (cunhadinho querido, idolatrado, fazedor de mojito), ana booooooooooorges (mana bitch) e eu de joelho, me segurando na cadeira pra não cair, né?

botamos o bloco na rua, não? porque fazer parte dessa família é precisar de pouco pra rir de doer, hehehehehehe


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

diário paulistano 2.5 - goXtosura

na loja de móveis para o mais novo projeto mino-parceria-com-mãe-de-mino, mosquitos começaram a me atacar substancialmente.

aviso o dono da loja:

mino: moço, os mosquitos estão me atacando.

moço: mas aqui não tem mosquito!

[tempo passa]

mino: moço, os mosquitos realmente estão me mordendo!!!!!

moço: mas não tem mosquito aqui!!!

mino: mas olha aqui ó!!!

(mostro as pernas com manchas vermelhas, picadas)

moço: não culpo os mosquitos de morderem essas pernas...

domingo, 14 de fevereiro de 2010

diário paulistano 2.4 - o homem duplicado

tal qual livro livro de saramago, vi meu irmão duplicado em são paulo.

explico. ana borges e eu levamos o lucas (sobrinho de fato) e dudu (sobrinho emprestado, filho do cunhadinho querido) para pegar sol. no museu do ipiranga, entre skates, cachorros, cadelas, pessoas bizarras, pessoas estranhas, pessoas legais, pessoas normais, crianças rindo, crianças chorando, crianças mal-sabendo-ficar-de-pé-em-seus-patins, vimos um moço que era tal qual o dinho, meu irmão.

deus, era meu irmão duplicado.

olhei pra criatura e disse: aninha, aquele ali não parece o dinho?

a ana também achou igual e ficamos olhando impressionadas o xerox vivo do dinho e pronto. eis que a cópia resolve "lamber-os-beiços", gesto por vezes feito por meu irmão. como ele fez perfeitamente tal-qual o nosso fraterno amiguinho, começamos a rir muito. o meu "outro-irmão" descobriu que estávamos olhando ele. mas supôs o motivo errado. o meu outro-irmão achou que eu e minha irmã estávamos o paquerando.

daí, eu descobri como meu irmão age quando paquera. péra. não como meu irmão age. como aquele ali age, meu-irmão-duplicado, meu-outro-irmão... ah! sei lá, também!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

diário paulistano 2.3 - Concílio dos Junicos


mulherada da família em missão por são paulo... quem aguenta essas três por aí?
beijo, BRASIL!
(detalhe: sorrisão é de família, não?)

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

diário paulistano 2.2

atualizações da chegada

a) definitivamente moro em uma PROVÍNCIA! sim, porto-alegrenses bairristas: essa cidadezinha é uma província! seisemeia da manhã e eu não pude tomar um café decente no aeroporto porque estava tudo fechado... imaginem meu estado no vôo!

b) o destino final do meu vôo era salvador. são paulo era apenas uma escala. eu lá, tentando ler uma matéria delícia da piauí sobre o edward said (o cara do Orientalismo) e gaúchos empolgadinhos com o carnaval-micarê que passarão em salvador não calavam a boca. ok, conversem com seus amigos. eu sou tagarela. mas existe um volume de voz aceitável e assuntos toleráveis em ambientes públicos. ficar arremedando aos gritos a comissária de bordo (por que não mais aeromoça???) cada vez que ela fala ladies and getlemen (o que já é suficientemente irritante) não é legal, ok?. se o vôo fosse calango, eu tinha batido... juro! tinha dado uma de mike tyson e arrancado a orelha de cada um deles... mino violenta!

c) desci em guarulhos. pois é: GUARULHOS. e, enquanto a incompetente da mana se perdia pra me achar, fiz amizade com um alemão (aparentemente eles me adoram) e um holandês... divertido! treinei meu parco alemão e meu inglês, conheci tamancos feitos com o couro do que eu acho que entendi ser de uma cabra (não sei reproduzir pronúncia muito menos escrita no inglês-holandês do moço bizarramente legal). bom, uma hora e quinze minutos depois, fui resgatada por mamis e ana borges. a última se perdeu no caminho de volta também!

d) #e-mailtenso. não comentarei. me sinto capitu em frente a um bentinho imbecil, fraco de caráter. só falta o livro difamatório baseado em fato nenhum... enough is enough!

=*

saudade dos gatos! saudades da minha casa! saudades da minha cama!
eu reclamo, mas sempre trago uma melissinha de rubi pra bater os calcanhares e dizer na hora certa: não há lugar como o nosso lar!

=*

i'm not sorry that's nothing to save

remexendo nas músicas do note velho, achei esse achado...

delicinha, não?


terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

fenda no universo

e o que acontece uma vez em cada
1.274.502.039.865.562.495.629.374.236.491.543.528.776.587.345
de vezes aconteceu:

acordei de mau humor!

mas beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeem lá mesmo!

por que ter amigos? - parte 4


como os verdadeiros amigos te julgam:


hires: por falar em orkut, me suicidei do orkut.


nega vivi: fazendo a linha bicha kamikaze...


hires: HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA



pois é... agora só dá pra me seguir (seja um stalker no twitter), me ler aqui, conversar comigo no msn e me chamar pra coisinhas divertidas ao vivo.... aliás, tudo bem mais divertido do que comentar nas minhas fotos, né?????

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

diário paulistano 2.1

nem cheguei em são paulo ainda (viagem marcada pra quarta de manhã), mas tinha que postar essa:


hires: luciano, to indo pra sp quarta. passarei o carnaval lá... volto só depois.

lu: tá, querida. mas me faz um favor.

hires: hum...

lu: leva uma bóia?

hires: hahahahahahaha claro,claro... pra não estragar a chapinha! hehehehe

enough is...

enough!

da arte de me deixar pra baixo

no meio da crise de asma que assolou meus pulmões, descobri um "vislumbre da minha alma" não muito agradável, mas ei! não precisei gastar em terapia!

eu adoro mimar os outros. adoro ajudar, fazer favores, dar presentes, dar conselhos. quando chega na minha vez: eu me saboto! eu simplesmente me recuso a cuidar de mim...

eu não me alimento direito, porque se for pra cozinhar pra mim, não movo uma palha. eu tenho asma e fumo. e se ninguém olhar pra mim e dizer: "hires, vai te tratar!" eu continuo achando que é frescura minha, que dá pra aguentar. agora faço um escândalo pra levar qualquer pessoa ao médico.

mais um exemplo: há dias to com vontade de comer bolo de fubá. ainda não fiz pra mim porque não tem mais ninguém aqui em casa pra comer. pra que me mimar, né?

sábado, 6 de fevereiro de 2010

asma (ou é que viver me tira o ar)

eu sofro de asma desde que me sei por gente.

na verdade, muitas das lembranças de infância são no meio de nebulizações no hospital. depois que completei uns dez anos de idade, passou como por encanto. dizem as más ou boa línguas que a secura do ar da capital federal favorece o meu quadro. não tenho ataques lá. não fico com tosse. não tenho falta de ar. respiro naturalmente. nem parece que sofro de qualquer coisa.

quando me mudei para o sul do país, em janeiro de 2001, junto com o novo milênio, eis que me vejo sem ar de novo. e com um novo agravante: a falta de ar não vem quando corro, quando tem poeira ou qualquer coisa que me dá alergia. vem com o frio, com o vento, com algo gelado e com, pasmem, o ventilador no verão.

me vejo agora nesse calorão de quinze bilhões de graus e eu aqui sem poder ligar meu bom e velho ventiladorzinho que nem soprinho faz porque to quase morrendo.

não pude molhar meu biquininho na piscina porque to com asma.

e passei a tarde fazendo meu queridinho ex-aluno fabrício diel passar calor comigo e cuidar do nebulizador por causa da asma...

viver me tira o ar... eu bem poderia ficar sem ar por outras coisinhas, né? sem ar, com borboletinhas no estômago, olhinhos brilhando... não pela asma... por deus...

e se...

eu não constumo repensar as minhas escolhas.

porque ficar remoendo as possibilidades nos impede de perceber o que construímos quando fizemos isso ou aquilo. e daí se não saiu como o planejado? e daí se levamos um tombo? e daí se veio a roda da fortuna e saiu atropelando tudo? e daí se o pra sempre sempre acaba?

e citando meus amados artistas mendigos (mais alguns do estilo feio, mas eu pegaria):

E se eu fosse o primeiro a voltar
Pra mudar o que eu fiz
Quem então agora eu seria?


mas o post melancólico é só porque eu to pensando, por uns instantes, e se...

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

questão de múltipla escolha

passar o verão em porto alegre é:



a. ( ) saber que a pouquíssimos quilômetros daqui tem praias como tramandaí (beijo pro povinho besta que vai pra tramandaííííííííí), feias, com um mar gelado e que de vez em sempre o mar está com uma corzinha de nescau;

b. ( ) saber que a quilômetros daqui tem praias como bombinhas (beijo pro milton, que em vez de estar em bombinhas pegando aquele bronze, tá em poa terminando a disertação-ão), com um mar delicioso e bem azulzim!!!!!!!!, mas que tu não tem dinheiro para ir;

c. ( ) tomar banho nas praias do guaíba em ipanema e sair de lá sem toda a sua pele e com um terceiro olho no meio da testa (beijo poluição!!!);

d. ( ) chegar até a ipiranga e sentir aquele cheiro maraaaaaaaaaaaaaaa que vem do dilúvio nessa época do ano junto com a cascata de copos de iogurte (beijo poluição!!! [2]);

e. ( ) todas as alternativas.

do salão de beleza

muitas pessoas pensam que o salão de beleza é um espaço de pura e simpes futilidade. pois bem, meu salão de beleza não!


obviamente, tenho momentos lindamente mulherzinha. como a escolha da cor do esmalte (agora, por exemplo, estou de esmalte roxinho da colorama chamado "noite quente"), as vantagens de se depilar no verão (como é calor, os poros estão mais abertos e dói menos, acreditem) ou a cara de vagabunda que a luana piovani tem, apesar de ser linda de morrer.


mas também consigo ter lindas discussões com o cabelereiro do salão, o gerard (que não é o meu cabelereiro), e a minha manicure (a pretinha, amor da minha vida; xuxu da minha existência; coraçãozinho ó (L) do meu carinho) sobre psicanálise, poesia, astrologia, ética e, acreditem ou não, arte.


ontem, por exemplo, nossa discussão passou por arte dada, paul klee, carlos drummond de andrade, um pequeno ensaio filosófico sobre frustração e poder aquisitivo e culminou, claro, em quanto o robert downey jr é gostoso... porque conversa de salão sem falar de homem gostoso não tem a mínima graça!