domingo, 24 de agosto de 2008

as olimpíadas (ou morre, galvão!)


eu sou uma pessoa esportista não atlética. ou seja, eu sou uma pessoa que adora esportes sem praticar nenhum. não vou enganar vocês: já fui atleta.

fui nadadora durante toda a minha infância, como toda portadora de bronquite. era boa, promissora. quebrei meu pé um dia e o meu sonho de participar da olimpíada de 2000, aos 16 anos, foi por água abaixo.

adorava vôlei e fui do time da escola. adorava. o time da escola é que não me adorava tanto assim. acabei remudando de escola (as mudanças de escola são narrativa para outra ocasião).

joguei tênis durante dois anos. mudei de professor e, por não gostar do outro, me revoltei. levei uma bolada no olho e minha carreira acabou de novo.

mas continuei A-DO-RAN-DO esportes. assito a jogos, acompanho copas, não desgrudo os olhos no panamericano! enfim, adoro toda coisa de respresento-um-país-me-superando-afu! e toda vez que toca o hino do brasil, depois de ganahrem e estarem recebendo a medalha, eu me emociono... com direito a arrepios patrióticos.

nessas olimpíadas eu passei vergonha, na verdade. esportes em que o brasil não só era favorito como tem "escola", como o vôlei de praia e o vôlei, me decepcionaram. sem falar da queda de bunda do diego hypólito e as "pisadinhas" para fora de daiane dos santos... totalmente inaceitável! a impressão que deu é que a superação, para os brasileiros, só adianta quando não confiamos neles. vide césar cielo: aparição e paparicação dele só aconteceram durante e depois da prova. ou vocês já tinham ouvido faalr um monte dele como escutam do ronaldinho gaúcho?

o brasil não pode se achar favorito. fez direito em outro lugar, se ferrou na olimpíada. em vez de pensar: "vou lá e quebro TUDO", os times favoritos do brasil vão lá e são quebrados (como o futebol masculino que comeu bola com a argentina e o feminino, que depois de ganhar tudo, surpreendeu perdendo...). o brasil tem a mania de surpreender ganhando, quando não tem chance, e perdendo quando é favorito!

e, para completar, o complexo de inferioridade é tão grande que comemoramos tudo como ouro. bronze vale ouro. prate vale ouro. quarto lugar? é ouro! chegou entre os 25 primeiros? é ouro!!! ficou em último na final por equipes na ginástica? meu deus, É OUROOOO!

no dia em que os atletas brasileiros aprenderem que ouro é ouro, prata é prata, bronze é bronze, e, abaixo disso, nem no pódio sobe, talvez se dediquem um pouco mais. porque para aluns brasileiros a parte superando-afu não existe no respresento-um-país-me-superando-afu!

o post acima é apenas um desabafo de alguém que adora ver esportes, mas odeia ver o brasil sendo palhaço, evento narrado, ainda, por galvão bueno, o irritante!

2 comentários:

Martha disse...

eu nao gosto de esportes, mas assumo que também me emociono qdo ganham alguma coisa e sobrem no podio! hahaha

mas concordo com o "superar-afu" e digamos que isso falta em muitos setores brasileiros e não só no quesito olimpiadas, né..
enfim, acho que les acreditam que só por estar nas olimpiadas ja sao vencedores (o que, ok, nao deixa de ser verdade.. é realmente dificil chegar a uma olimpiada), mas nao pode deixar isso influenciar na vontade de ganhar de verdade..

bom, tu ja disse tudo!

bjocas beibe

paolinha disse...

oieee...

fiz um post no meu blog (sim agora tenho um blog) também demonstrando minha raiva pro galvao bueno e seu aprendiz cleber macahado. mas a raiva vem de otura coisa...
beijocas e saudas